Arquivo da categoria: educação

Dez dicas para manter o foco durante os seus estudos

por Luiz Otávio Zahar

Manter a atenção focada, numa sociedade que clama por sua atenção, é uma tarefa hercúlea.

São muitas as possibilidades de distração quando se tem de, simplesmente, sentar e resenhar um livro, um artigo, etc. É o tablet que nos avisa da chegada de mensagens, smartphones com avisos de SMSs, o ícone do facebook logo ali para ser clicado, etc. E quando nos damos conta já perdemos muitos minutos (ou horas) que seriam dedicados ao estudo e pesquisa.

Nossa tendência natural é a de considerar que se trata de uma falha nossa. Afinal, nós temos o livre-arbítrio para decidir o que vamos fazer na frente da tela do computador.
Mas será que isso é verdade? Como lidar competitivamente com um texto em preto e branco, muitas vezes numa linguagem difícil, ocupando muitas páginas, em confronto com pop-ups coloridos e incrivelmente convidativos que te avisam todo o tempo que chegou uma mensagem “para você”. Que fulano quer ser seu amigo, em mensagens curtas e de leitura fácil.

Não se iluda, tudo é planejado na internet para captar e roubar sua atenção.

Foi pensando nisso que eu comecei a criar certas regras para mim, algumas delas usando as mesmas ferramentas que me distraem.

Procurei levar em consideração o mundo real em que vivemos que muitas vezes nos obriga a usar o computador para estudar e pesquisar, e tentei criar alguns limites (regras) para evitar a distração.

Foi assim que elaborei a pequena lista abaixo.

1. CRIE UMA CONTA DE USUÁRIO SEPARADA (NO WINDOWS) PARA O SEU TRABALHO

No meu computador eu criei uma conta separada (que eu criativamente chamei de “Trabalho”), que não tem muitos dos aplicativos que levam à distração, uma conta sem SMS, sem avisos constantes de chegadas de novas mensagens e convites do Linkedin, do Facebook e etc. Isso já cria uma barreira natural para suas distrações. Quando se cria uma nova conta no windows ela não leva as configurações de sua conta principal e nem aquela montanha de ícones e programas instalados. É uma versão mais seca e menos atraente do seu próprio computador.

Se você não sabe criar uma nova conta de usuário no seu computador, dê uma uma olhada nesta página: CRIAR UMA CONTA DE USUÁRIO.

2. ESCREVA NUM PAPEL O QUE VOCÊ VAI PESQUISAR NA INTERNET

A internet é valiosa para pesquisas mas uma fonte natural de distração. Eu lido com esse problema escrevendo num pedaço de papel as coisas que eu vou pesquisar e estudar.

Antes de abrir o navegador eu já determino o que vou estudar naquele dia e procuro seguir a rota que eu estabeleço. É claro que aqui e ali as minhas pesquisas me levam a caminhos inesperados, mas deixando o papel na minha frente eu me obrigo a me refocar no meu objetivo inicial. Essas minhas primeiras anotações eu faço usando mapas mentais (mindmaps) que me ajudam a me concentrar mais do que somente pequenas listas de assuntos e interesses.

3. ESTABELEÇA UM PERÍODO DE TEMPO (REALISTA) PARA SUA PESQUISA

Estabeleça uma meta realista de estudo. Se você já sabe que não vai conseguir estudar mais de 30 minutos não vá além disso neste momento. É melhor parar, esticar as pernas, beber água, ir ao banheiro e depois sentar para mais uma etapa do que ficar olhando para tela ou livro com a cabeça em outro lugar. Eu normalmente estabeleço minhas etapas em 50 minutos. Uso um timer Herweg para não usar o do smartphone (a razão eu explico abaixo).

Quando completo os 50 minutos eu levanto e faço as coisas que tenho de fazer e não retorno antes de 10 minutos. Essas pausas são fundamentais para manter o foco. Elas me permitem estudar por períodos mais prolongados, sem distrações.

4. DESLIGUE AS PRINCIPAIS FONTES DE DISTRAÇÃO

Essa talvez seja a dica a que o nosso cérebro mais resiste. Desligue seu smartphone, desligue seu tablet (se não for nele que você está fazendo a sua pesquisa, é claro). Naqueles 30 ou 50 minutos a sua prioridade é a sua pesquisa. Você sabe que na sua pausa vai ter chance de ver os recados e retornar as chamadas. No começo é quase como tirar o crack do viciado, o corpo resiste, os olhos procuram uma distraçãozinha. É por isso que o melhor é desligar o gadget. Com o tempo você vai ver que ganha preciosos minutos do seu dia. Estudar e trabalhar é como uma corrida de automóvel. Todo segundo ganho é uma produção a mais.

5. INSTALE O FREEDOM

Um aplicativo legal e que pode funcionar como timer é o Freedom. Trata-se de um bloqueador de distrações digitais. Você clica nele e estabelece um período de tempo e clica nele. Pronto, durante aquele tempo você está desconectado da internet. Livre para estudar e escrever o seu trabalho ou a sua pesquisa. É um programa pago, custa 10 dólares (mas permite um período de testes), e eu acho que vale cada centavo.

freedom

Fica a questão de como pesquisar na internet estando desconectado da mesma. Eu trato desta questão na dica número 7.

6. INSTALE O KILL NEWS FEED

Não há como negar que o Facebook é um grande sorvedor de vida. Entrar nele é a certeza de passar preciosos minutos lendo feeds, muitas vezes, desnecessários. Como eu uso o Chrome (mas acho que esta extensão deve existir para outros navegadores), eu instalei o Kill News Feed em minha conta de trabalho. Este aplicativo impede a chegada de feed de notícias no Face, e em seu lugar aparece uma mensagem que diz: Não seja distraído pelo Facebook.

killnews

7. SALVE SUAS PESQUISAS DA INTERNET EM PDF

Como já vimos acima a internet funciona como importante veículo de pesquisa mas também é uma fonte constante de distração. Para lidar com isso eu criei o seguinte sistema de trabalho. Uma vez identificadas minhas fontes de pesquisa na internet eu faço uma visita às páginas e as imprimo em formato PDF usando o software gratuito pdf 995.

Gosto de salvar minhas pesquisas numa pasta, o que me permite trabalhar offline e voltar a elas de vez em quando.

Salvar minhas páginas de pesquisa em pdf permite ainda que eu as organize numa biblioteca utilizando um programinha muito legal, o Calibre. Veja na próxima dica.

8. ORGANIZE A SUA BIBLIOTECA DE PESQUISA

É fácil ficar perdido entre múltiplas fontes, ainda mais num computador. Eu só consegui me organizar usando um gerenciador de bibliotecas. Uso o Calibre, que é gratuito e um pouco difícil de usar no começo, mas é poderoso e garante que suas fontes vão ficar disponíveis para pesquisa com facilidade.

calibre

9. FAÇA RESENHAS

Uma tarefa que é um pouco cansativa numa pesquisa é o de fazer resenhas, mas deve fazer parte de toda pesquisa aprofundada. Quando se faz uma resenha procura-se resumir em poucos parágrafos o trabalho que foi lido, colocando anotações críticas sobre o mesmo. Existem aplicativos específicos para isso onde se coloca a referência bibliográfica e abaixo o resumo da obra com as suas considerações, mas para isso ainda não encontrei um programa mais simples que o velho Word. Você escreve o nome do artigo ou do livro na primeira linha e abaixo vai colocando o seu resumo e depois salva tudo na sua pastinha de pesquisa. A única dica adicional que eu faço é: deixe caneta, lapiseira e papel em branco junto do livro ou do computador para fazer suas anotações enquanto lê. Você não vai querer resenhar um livro depois de ter lido 315 páginas. É mais interessante ir escrevendo aos poucos, anotando as páginas onde está cada ideia a que você está se referindo em seu resumo.

10. FAÇA BACKUP DE TODA SUA PESQUISA

Nunca é demais enfatizar para você fazer backup de todo o seu trabalho. Lembre-se da Lei de Murphy: “Se alguma coisa tem a mais remota chance de dar errado, certamente dará”. Faça backups parciais do seu trabalho a cada dia ou a cada período em que você perceber que aquilo que você escreveu já não pode ser perdido.

Há muito tempo que eu tenho essa preocupação e foi isso que me salvou há uns quatro anos atrás, quando fazia minha dissertação de mestrado. A cada dia de trabalho eu salvava uma cópia no HD, outra num HD externo e ainda mandava para mim mesmo tudo por e-mail. Eram três anos de trabalho lendo livros do século XIX, fazendo fotos e resenhas. Quando já tinha escrito a maior parte da minha dissertação, já na fase de formatação, para se adequar às normas da UFRJ aconteceu o que Murphy vaticinara: um crash no HD me obrigava a formatar o disco, perdendo todo seu conteúdo. Com a formatação e reinstalação dos programas, quando acessei o Dropbox, ele entendeu que meus arquivos tinham sido apagados e os apagou da nuvem. Mas tudo bem, ainda tinha o HD externo. Foi só plugar no computador para ele dar um erro que só poderia ser corrigido por formatação…

O que me salvou? Os e-mails que eu tinha mandado para mim mesmo (na época eu ainda não tinha o Google Drive). Por isso, não tenha medo de ser taxado de portador de TOC. Salve o seu trabalho paulatinamente, em várias versões, em diferentes mídias. É sempre mais fácil recomeçar do meio do trabalho do que começando do zero.

11. DICA BÔNUS – FAZENDO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Recomendo fortemente o uso de um maravilhoso mecanismo online para referências, o MORE, da Universidade Federal de Santa Catarina. Trata-se de um mecanismo onde você coloca os dados das obras consultadas e ele constrói a referencia para você. Muito prático, simples e GRATUITO.

_____________________________________________________

Bem era isso. Espero que este texto seja útil nos seus estudos e pesquisas.

Luiz Otávio Zahar

Bibliografia Consultada

GOLEMAN, Daniel. Foco: a atenção e seu papel fundamental para o sucesso. 1. ed. Objetiva: Rio de Janeiro, 2013.

DUHIGG, Charles. O poder do hábito: porque fazemos o que fazemos na vida e nos negócios. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012. 316 p

ECO, Umberto. Como se faz uma tese. 11. ed. São Paulo: Perspectiva, 1977. 174 p.

VIEIRA, Sonia. Como escrever uma tese. 5. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004. 102 p.

 Universidade Federal de Santa Catarina. MORE: mecanismo online para referências. 2014. Disponível em: <http://www.more.ufsc.br/&gt;. Acesso em: 27 jun. 2014.

 

 

Anúncios